Entre em contato conosco

Automobilismo

Toyota vence pela quinta vez consecutiva as 24 horas de Le Mans

Publicado:

em

Em uma prova sem grandes reviravoltas, a Toyota tem dobradinha no pódio e conquista sua quinta vitória na maior e mais tradicional prova de endurance do automobilismo mundial.

Compartilhe esta publicação

Escrever pelo terceiro ano consecutivo sobre as 24 horas de Le Mans é acima de tudo uma grande responsabilidade. Mais que isso, para um legítimo fã do esporte a motor é uma verdadeira honra. Afinal, estamos falando da maior corrida de endurance do mundo, para alguns fãs a maior prova de automobilismo do mundo, e para aqueles muito, muito fãs, o maior evento esportivo do planeta.

A edição de 2022 da prova, celebra 99 anos de tradição das 24hs de Le Mans, e aconteceu entre os dias 11 e 12 de junho. Na verdade o 99º ano não é a 99ª edição, pois alguns anos a prova não aconteceu devido à guerra.

Uma prova de certa maneira morna. Sem a tradicional chuva que inferniza pilotos de madrugada, e com uma única equipe literalmente dominando a prova toda. As atenções se voltaram mais para as categorias LMP2 e GT, e suas subcategorias, já que na Hypercar não trouxe sequer disputas.

Foto: Copyright 2022 Gabi Tomescu/focuspackmedia.com

O ditado mais popular da prova francesa é que “Le Mans escolhe seus vencedores”. Se isso for verdade Le Mans já tem praticamente namoro com a Toyota e decidiu presentear sua namorada com a quinta vitória consecutiva neste dia dos namorados.

Le Mans é sobretudo, sobre resistência, trabalho em equipe, dedicação. Aqui, mais relevante que o carro mais rápido, é qual bólido realmente aquentará 24hs correndo no limite. Quais pilotos conseguirão manter sua atenção durante uma pilotagem tão exaustiva à noite, e qual equipe terá os mecânicos e engenheiros mais habilidosos e rápidos quando os carros vierem repletos de “cicatrizes” e peças penduradas para uma das dezenas de paradas nos pits.

Le Mans é de fato, única.

Foto: Copyright 2022 Gabi Tomescu/focuspackmedia.com

 

Largada

Uma Largada em Le Mans sem chuva aparentemente não é algo tão empolgante, mas…

A LMP2 não nos desapontou.

Tivemos uma batida forte logo na primeira volta envolvendo o carro #22 da United Autosports. Apesar da batida e dos estragos, o carro pilotado por Philip Hanson, Filipe Albuquerque e Will Owen voltou à pista e ainda conseguiu terminar a com uma impressionante 10ª colocação.

Na ponta, os Toyotas #7 e #8 largaram na pole e começaram a se distanciar dos carros da Glikenhaus desde a primeira volta para nunca mais serem vistos…

A United Autosports publicou uma nota sobre o acidente (traduzida do inglês):

“❗️Ah não! Como não queríamos que nossa corrida comece.

Will em #22 acabou começar e não teve escolha a não ser entrar no cascalho para evitar mais contato…

Aguardando o veículo de recuperação e voltaremos para o box para consertar o nariz.

Alex em #23 fica em P6.

#BeUnited”

Foto:Copyright 2022 Harry Parvin/focuspackmedia.com

 

Hypercar

A categoria principal da Wec ainda conta com somente 5 carros. Para piorar um pouco o cenário, Glikenhaus e Alpine não são páreo para os Toyotas da Toyota Gazzo racing.

Diferente do ano passado, ou até mesmo da etapa anterior em Spa onde um dos Toyotas apresentou problemas, este ano a marca Japonesa dominou as 24hs de Le Mans de ponta a ponta. O conjunto composto por tecnologia híbrida, pilotos e a equipe formam uma aliança que já domina a prova por 4 anos consecutivos. A pole deste ano foi do Toyota de número #7.

Foto: Copyright 2022 Harry Parvin/focuspackmedia.com

A volta mais rápida da prova pertenceu também ao Toyota #7 pilotado por Jose Maria LOPEZ com o tempo de 3:27.749. A Glikenhaus chegou muito perto desse tempo, Olivier PLA atingiu 3:27.765 no carro #708, mesmo modelo que era pilotado pelo brasileiro Luis Felipe DERANI, que guiou o carro por um total de 05 : 57 : 21 durante toda a prova.

O segundo brasileiro na categoria era André NEGRÃO que ficou 07 : 08 : 13 ao volante do Alpine A480 – Gibson #36, o único modelo da equipe Alpine na prova.

Ao final, Derani e Negrão ficaram em P3 e P4 respectivamente.

Durante a madrugada o Toyota #7 teve problemas mecânicos no seu sistema hibrido e quem assumiu a liderança foi o colega de equipe, o Toyota #8, que se manteve na liderança até o final da prova.

Já a vitória da categoria e consequentemente das 24hs de Le Mans, ficaram com o Toyota de número # 8 pilotado por Sebastien Buemi, Ryo Hirakawa and Brendon Hartley.

Foto: Copyright 2022 Gabi Tomescu/focuspackmedia.com

 

LMP2

Diferente da Hypercar, a LMP2 se mostrou a categoria mais competitiva e também com o maior número de participantes das 24hs de Le Mans.

Com um total de 27 carros (somando os modelos da subcategoria PROAM), a LMP2 trouxe algumas das disputas mais emocionantes da prova, mas não necessariamente pela primeira posição.

A equipe JOTA liderou a prova de ponta a ponta com o Oreca de número #38 pilotado Antonio Felix da Costa, Roberto Gonzalez e Will Stevens com um desempenho impecável.

Todavia, as comemorações da equipe não pararam por aí, já que a JOTA teve dobradinha no pódio. O JOTA número #28 terminou a prova em terceiro lugar, pilotado por Ed Jones, Oliver Rasmussen e Jonathan Aberdein.

O segundo lugar ficou com a Prema Orlen Team de numero #9, pilotada por Robert Kubica, Louis Deletraz e Lorenzo Colombo.

A volta mais rápida da categoria foi dada por  Norman NATO à bordo do carro #41 da Realteam by WRT, e foi de 3:30.918.

Em se tratando de Brasil, tínhamos 2 representantes na categoria:

  • Felipe Nasr à bordo do carro #5 da equipe Penske, que embora tenha largado muito bem na P3, acabou caindo para P5 ao longo da noite e encerrando a prova nesta posição;
  • Pietro Fitipaldi à bordo do carro #43 da Inter Europol Competition, que concluiu a prova na 14ª posição.

Foto: Copyright 2022 Harry Parvin/focuspackmedia.com

 

GTE PRO

Se os líderes da Hypercar e da LMP2 já estavam definidos desde o começo da prova, o mesmo não se pode dizer da GTE PRO.

A categoria PRO dos GTs (que dá seu Adeus a Le Mans esse ano e será unida à categoria AM para formar uma única GT no ano que vem) teve um grid relativamente pequeno, somente 7 carros de 3 fabricantes diferentes: Ferrari, Porsche e Chevrolet.

Os Corvettes eram nitidamente mais rápidos, sobretudo nas retas e iniciaram a prova na liderança e como favoritos. Acontece que há muito mais em Le Mans que somente a velocidade, afinal é uma prova de endurance, não?

Durante a madrugada o Corvette de número #63 teve problemas com a suspensão, e um pouco mais adiante o Corvette #64 teve uma forte colisão com o muro. O resultado foi a Chevrolet abandonando a corrida antes de seu final e deixando o caminho livre para a Porsche e a Ferrari brigarem pela liderança.

A vitória acabou ficando novamente com a tradicional montadora alemã, e com o carro de número #91 da equipe Porsche GT Team, pilotado por Gianmaria BRUNI, Richard LIETZ e Frédéric MAKOWIECKI.

A volta mais rápida também pertenceu a um bólido alemão, desta vez pilotado por Kevin ESTRE, que cruzou o circuit de La Sarthe em 3:48.35 à bordo do Porsche número #92 também da Porsche GT Team.

A exemplo das demais, esta categoria também contavam com 2 representantes verde e amarelo ambos à Bordo das Ferrari 488:

  • Daniel Serra com o carro #51 da equipe AF Corse, que concluiu a prova na P2;
  • Felipe Fraga com o carro #74 da equipe Riley Motorsports, que concluiu a prova na P5.

Foto: Copyright 2022 Harry Parvin/focuspackmedia.com

 

GTE AM

A categoria amadora dos GTs contou com um grid bem maior que sua versão PRO, e outros fabricantes de carros.

Aqui, sai Corvette e entra Aston Martin, para novamente compor juntamente com Porsche e Ferrari um grid de 3 fabricantes. O total de 23 carros também impressiona, embora um pouco menos numeroso que a LMP2, contava com algumas supressas bem interessantes escondidas atrás dos volantes dos carros.

A primeira delas ficou por conta da presença do ator Michael Fassbender, o Magneto dos filmes dos X-men, pilotando o Porsche 911 RSR de número #93. Embora o resultado não tenha sido dos melhores, a equipe ficou em 16º na categoria GTE AM.

Já o outro destaque, ficou para o time feminino da Iron Dames, que conquistou uma excelente 7ª posição com a Ferrari Ferrari 488 GTE Evo núero # 85, pilotada por R. FREY / M. GATTING / S. BOVY

Foto: Copyright 2022 Harry Parvin/focuspackmedia.com

No começo as primeiras posições eram dominadas pelos veículos da marca alemã, que deixavam tanto as Ferraris quanto os Aston Martin para trás, mas isso não durou muito.

Mesmo largando na pole, o Porsche #99 da equipe Hardpoint não ficaria muito tempo na liderança. A primeira troca de liderança aconteceu logo na segunda hora da corrida com o Porsche #79 da WeatherTech Racing assumindo a liderança e tendo em seu encalço o promissor Aston Martin Vantage de número #33 da equipe TF Sport. A Equipe Wheatertech manteve a liderança durante toda a noite, onde se revezavam os pilotos C. MACNEIL / J. ANDLAUER / T. MERRILL.

O Porsche da Weathertech também ficou com a volta mais rápida da categoria, nas mãos do piloto  Julien ANDLAUER que marcou 3:50.445.

Ao amanhecer, foi a vez do Aston Martin #33 da TF Sport assumir a liderança e nunca mais olhar para trás, dominando o restante da prova e vencendo a categoria com os pilotos B. KEATING / H. CHAVES / M. SØRENSEN

Não tínhamos nenhum representante brasileiro nesta categoria.

Foto: Copyright 2022 Gabi Tomescu/focuspackmedia.com

 

Resultado

 

 

 

 

Compartilhe esta publicação