Entre em contato conosco

Automobilismo

Miguel Paludo chega a andar em sétimo na NASCAR Xfinity Series em sua estreia no Indianapolis Motor Speedway

Publicado:

em

Miguel Paludo HHP/HAROLD HINSON

Com ritmo dos ponteiros a prova toda, piloto BRANDT escala o pelotão ao longo da prova, é rodado no início do segmento final e termina em 24º

Compartilhe esta publicação

Miguel Paludo e o Camaro #88 com as cores da BRANDT mais uma vez mostraram ritmo dos líderes da NASCAR Xfinity Series. E, mais uma vez, acabaram vítimas de contato antidesportivo de um mesmo concorrente. O gaúcho escalou o pelotão duas vezes, acabou tocado no início do terceiro segmento e ficou à mercê de uma bandeira amarela que não veio.

Paludo acabou em 24º, mas com a sensação de um saldo positivo após três participações na maior categoria de carros de turismo do planeta em 2022.

O brasileiro trocou pneu antes da largada, nas voltas de instalação. Mas logo voltou do fundo do grid e, em questão de dez voltas, já havia saltado de 38º e último para 26º.

A primeira amarela veio na volta 15, por acidente entre os carros #35 e #44. Miguel entrou nos pits com o Camaro #88 e realinhou em 21º depois do serviço da equipe JR Motorsports.

Relargou na abertura da volta 19, duas para o fim do segmento. Paludo ficou por fora no fim da reta, mas se encaixou e passou em vigésimo, posição que sustentou até a quadriculada branca e verde.

Três concorrentes que haviam ficado na pista pararam entre os segmentos, de modo que o piloto BRANDT alinhou em 17º para a abertura do segundo stint.

Dois carros rodaram em incidentes separados na primeira volta do segmento. O gaúcho não apenas se livrou dos enroscos, como ainda se aproveitou para ganhar posições até avançar para 11º. A bandeira amarela então foi acionada para limpeza de detritos na pista. O Camaro #88 já apresentava marcas de batalhas na lataria do lado esquerdo, mas seguia com performance dos ponteiros na pista.

Relargando por dentro na abertura da 29ª volta, Miguel entrou no top10 na metade do segmento. Ele seguiu conquistando posições na pista e ainda foi favorecido pelas paradas de alguns concorrentes, de modo que avançou para sétimo antes da segunda quadriculada verde e branca. O Camaro #88 foi chamado para a terceira parada na volta 37 e saiu com combustível suficiente para completar a prova. A equipe optou por dedicar tempo aos reparos na lataria danificada, para proporcionar outra escalada na pista durante o stint final.

Paludo relargou em 14º para o terceiro e decisivo segmento da prova e defendeu bem a posição até a penúltima curva, quando acabou empurrado para o gramado pelo concorrente do #45 e rodou, retornando no fundo do pelotão, em 32º.

Ele seguia com ritmo dos pilotos do top10, mas, como havia perdido mais de 10s no incidente, ficou na dependência de uma bandeira amarela para voltar ao pelotão da frente. Paludo tirou toda diferença ao longo do segmento e voltou a ultrapassar os concorrentes. Mas não veio a amarela e o gaúcho recebeu a bandeirada em 24º.

A próxima apresentação do piloto BRANDT acontece na próxima semana, com as etapas da Porsche Cup em Termas de Río Hondo. Será uma semana intensa, com provas válidas pelo campeonato de Sprint e a abertura do Endurance Series.

O que ele disse:

“No começo da corrida trocamos o pneu dianteiro direito e o carro perdeu completamente a frente, pois aquele pneu estava zero e os outros não, então tinha que fazer muitas curvas em primeira marcha. Por isso não conseguia avançar o pelotão mais rapidamente, mas sabia que isso se resolveria quando parasse no box.

Paramos antes da amarela no primeiro segmento. Trocamos os quatro pneus e resolveu o carro, mas a marcha começou a escapar na primeira no fim da reta então tinha que segurar o câmbio principalmente na curva 1.

Viemos lá do fundo do pelotão até a sétima colocação. Mas última parada, ao puxar um dos pneus, uma parte do paralama caiu. Eles tiveram que arrumar antes de me devolverem para a pista, pois a roda não entrava com aquele dano. Não percebi quando aconteceu, acredito que tenha sido em alguma relargada. Como consequência, relarguei da 14ª posição em vez de sétimo, que seria nosso posicionamento normal.

Na última relargada foi tocado. Isso me tirou qualquer chance de terminar a prova em uma condição melhor. Fico chateado com a falta de respeito de pilotos ditos “especialistas” de misto, não só os de oval. O nome do Sage Karam tem aparecido direto, me tocou em COTA na primeira curva, em Road America me jogou para fora e causou toda a confusão e hoje mais uma vez. Três vezes nas três corridas ele alterou meu resultado com toques.

O pessoal diz que isso é NASCAR, mas tem sido bem ingrato como tudo tem acabado.

Queria agradecer ao pessoal da BRANDT por todo o apoio nessa temporada! Estamos na briga em todas as etapas e nesta corrida em especial o ritmo do carro era muito forte tanto no quali quanto na prova, bola para frente e vamos para a próxima”

Compartilhe esta publicação
Clique para Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.