Entre em contato conosco

Futebol Nacional

POR ERROS INDIVIDUAIS O CRUZEIRO PERDE NOVAMENTE

Publicado:

em

Compartilhe esta publicação

Operário 2 x 1 Cruzeiro no Estádio Germano Kruger situado em Ponta Grossa / Paraná no dia 19 (sábado) de junho pela quinta rodada do Campeonato Brasileiro da Série B as 19:00 horas, o time do Operário com seu uniforme 01 (camisa com uma lista verticais branca e preta, calções e meias pretas, com o número preto). O time do Cruzeiro com seu uniforme 01 (camisas, calção e meias brancas, com número dourado).

Aqui o Mineirinho sem papas na língua – viu novamente que erros individuais marcaram a derrota sofrida para o time do Operário, digo de passagem, um time muito ruim e limitado, que se não fosse estes erros, com certeza sairia vitorioso ou com o empate.

Há faze continua bem ruim para o time de BH, pois já é o sexto ponto perdido por erros individuais de um atleta muito inexperiente o N 34 Weverton (zagueiro) e o outro muito experiente o Nº. 01 Fábio (goleiro).

Já o time do Operário que não tem nada haver com isto, achou os dois gols feitos, sendo um time muito limitado e com pouca qualidade em seu plantel, que há não ser por estes lances capitais, não teria condições de fazê-los

Jogo a Jogo

1° Tempo: O Cruzeiro iniciou bem a partida dominando o meu campo e empurrando o time do Operário para seu próprio campo, pela marcação alta realizada e pelas boas jogadas realizadas pela movimentação celeste.

Nem parecia que o time da Toca da Raposa estava jogando fora de seus domínios, pois tamanha erra o controle das ações no jogo, é só restava o time do Operário tentar sair no contra-ataque.

Mas o pior é ver que o nível dos árbitros é tão ruim, e mais vez, “eu que não sou de falar da arbitragem”, mas destas vezes só prejudicou o time do Cruzeiro do início ao fim do jogo.

Voltando as ações do jogo, depois de uma entrada criminosa o Nº. 34 Weverton (zagueiro) do Cruzeiro no Nº. 05 Vilela, usando de um carrinho com as travas das chuteiras bem altas, que poderiam ter tirado por muito tempo um companheiro de trabalho, aos 29’ minutos.

Falta esta batida após a expulsão e alçada para pequena área de defesa do time do Cruzeiro, havendo falha dos zagueiros ao tirar a bola e sobrando para o Nº. 09 Paulo Sérgio (atacante) do time do Operário que deu uma bicicleta (quando o jogador fica em posição horizontal e acerta na bola com os dois pés suspensos, de costas para o chão. – Chute dado com a ponta do pé) e GOL, quando já eram 32’ minutos da etapa inicial.

Apesar do gol sofrido, o time do Cruzeiro continuou melhor na partida e com muita dedicação de seus jogadores em mais uma jogada realizada após retomada de bola pelo meio campo celeste, a bola sobrou para o Nº. 16 Bruno José (atacante lado direito), que passou alguns defensores do time do Operário e finalizou próximo da cabeça da grande área.

Na sequência da jogada, a bola foi interceptada por um zagueiro do Operário aos 48’ minutos, e sobrou para o lado direito de sua defesa, momento em que o Nº. 22 Felipe Augusto (atacante pela esquerda) chutou forte, pegando o Nº. 01 Thiago Braga (goleiro) se recompondo do chute anterior e GOL Operário 1 x 1 Cruzeiro, ao final da primeira etapa de jogo.

2° Tempo: Na volta para segunda etapa de jogo O técnico do Cruzeiro recompôs a defesa com a entrada do Nº. 23 Joseph (joga na zaga e no meio campo) no lugar do Nº. 11 Marcinho (Meia direita), o jogo transcorria bem, com o Cruzeiro controlando as ações do time do Operário.

Então outras substituições foram feitas devido ao grande desgaste de estar jogando com 10 jogadores e devido o gramado muito encharcado e pesado para prática de futebol.

Sem muito jogadores de qualidade em seu banco de reservas e com a necessidade das substituições, “o técnico do Cruzeiro fechou a casinha”, quando optou em colocar jogadores de meio campo e deixando isolado apenas um atacante, finalizando as tentativas de querer vencer este jogo, “oque eu achei um erro”.

Substituições estas que trouxeram o time do Operário, “digo muito limitado”, para cima do time do Cruzeiro, e mesmo assim, o time continuava há controlar as ações do jogo.

Mas como eu disse anteriormente, no último erro individual, aos 85’ minutos, em um lance despretensioso do Nº. 06 Djalma Antônio (lateral esquerdo) do time do Operário, chutou de bem distante da intermediaria e ao tentar fazer a defesa o Nº. 01 Fábio (goleiro) do time do Cruzeiro escorregou e GOL, dando Números finais de Operário 2 x 1 Cruzeiro.

O time do Cruzeiro até tentou reagir, mas já era tarde, em uma jogada nos minutos extras dados pelo juiz com acréscimo de 06’ minutos, o então Nº. 15 Adriano (meio campo), após driblar um defensor dentro de sua grande aérea, perdeu a última oportunidade de gol.

Ficha Técnica:

Operário: 01 Thiago Braga, 02 Alex Silva, 03 Renié, 04 Rodolfo 06 Djalma Antônio, 08 Pedro Ken, 05 Leandro Vilela, 11 Rodrigo Pimpão, 10 Tomas Bastos, 07 Jean Carlos, 09 Paulo Sérgio – técnico Matheus Costa – 4-2-3-1.

Substituições: 46’minutos 19 Thomaz e 13 Fabio Alemão, 76’ minutos 20 Rafael e 21 Leandrinho, 90’ minutos 18 Schumacher.

Cruzeiro: 01 Fábio, 22 Felipe Augusto, 04 Ramón, 33 Paulo Eduardo, 34 Weverton, 27 Rômulo,11 Marcinho, 17 Matheus Barbosa, 28 Geovanni, 16Bruno José, 10 Rafael Sóbis, técnico – Mozart Santos – 5-4-1.

Substituições: 46’ minutos 29 Joseph, 64’ minutos 05 Ariel Cabral e 88 Jadson, 74’ minutos 07 Airton e15 Adriano.

Considerações Finais:

Além de abusar de muitas faltas violentas, o time do Operário usou este recurso único, para manter o time do Cruzeiro longe de sua meta, matando jogadas que poderiam trazer perigo a sua defesa e para matar saídas de bolas rápidas.

O que falar da arbitragem do Sr. Paulo Henrique Schieich, que permitiu aos jogadores do time do Operário há fazer muitas faltas sem aplicar a regra, bem como também, não teve nenhum critério de lances de jogo, além de inverter lances da partida a favor do time do operário, lamentável!

“Eu não entendo” por que o técnico Mozart Santos usou o Nº. 05 Ariel Cabral com substituição no jogo, devido ele estar sem jogar há aproximadamente em torno de 07 meses sem jogar uma partida de futebol, deste que foi reintegrado ao time do Cruzeiro.

Acho que erros antigos não podem continuar acontecendo jogando todo o trabalho feito por estes jogadores, que estão se empenhando ao máximo para saírem com melhores resultados.

Lembrando que estes jogadores do time do Cruzeiro seguem com seus salários atrasados, e acho que alguns falas do presidente do Cruzeiro é desrespeitoso, ao ser perguntado em entrevista dizer que: “que não é privilégio do time do Cruzeiro estar com salários atrasados e que só equipes que tem patrocinadores fortes, estão em dia”.

Acho que o dirigente está nesta função para resolver as questões oriundas de suas funções e se não tem nada a dizer, deveria guardar estes tipos de comentário infeliz que não agrega em nada em seu trabalho, evitando de ser desrespeitoso com todas as pessoas envolvidas nestes atrasos de salário, mostrando estar despreparado para o cargo.

Para finalizar, o time do Cruzeiro volta a jogar no Estádio do Mineirão Lucarelli situado em Belo Horizonte / MG no dia 24 (quinta-feira) de junho pela rodada do Campeonato Brasileiro da Série B as 21:30 hora.

Compartilhe esta publicação
Clique para Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *